De olho no bolso e no relógio: existe alimentação saudável fora de casa?

Tempo, preço e praticidade. Esse são uns dos principais critérios das pessoas na hora de decidir o que comer. Com o tempo reduzido para fazer as refeições, a maioria dos brasileiros que optam por se alimentar fora de casa têm que aliar bom preço e facilidade na hora de escolher onde comer.

O desafio é manter uma dieta saudável em meio a tantas opções de cantinas e restaurantes que oferecem todo tipo de comida. Muitas pessoas preferem a praticidade dos alimentos prontos pela economia de tempo, outras fazem questão de escolher bem o lugar onde fazer suas refeições e de saber como os alimentos são preparados. Mas não é fácil. É preciso pensar bem os hábitos alimentares para manter uma dieta saudável.

É possível?

“A gente tem que pensar que o primeiro fator da alimentação saudável é comer as coisas que estão mais próximas da terra”. É assim que a estudante de Gastronomia Lara Lins define alimentação saudável. Para ela, os produtos naturais são os melhores de serem consumidos, já que os industrializados são submetidos a várias etapas de processamento que retiram deles as características originais e o valor nutricional.

Segundo a nutricionista em formação Letícia Ramos, uma alimentação saudável é composta por todos os nutrientes essenciais ao funcionamento do organismo humano. “É importante ter um cardápio variado que incluia fibras, vitaminas e fontes de energia, não podendo serem excluídas as gorduras”. Letícia ressalta que cada pessoa deve ficar atenta às necessidades do seu organismo e dar preferência a alimentos livre de gorduras trans.

O que é gordura trans?

De acordo com a empresária e artesã Marília Arantes, é possível ter uma alimentação saudável fora de casa, mas alerta para alguns cuidados que o cliente deve ter na hora de escolher onde comer. “É preciso conhecer o local onde você vai comer, procurar conhecer o dono e o modo como ele trabalha”. A estudante Lara Lins afirma que nem sempre os restaurantes preparam os alimentos da forma mais saudável e aconselha que os clientes sempre tentem saber como foi feita aquela refeição.

A artesã Marília Arantes afirma que uma alimentação saudável custa mais caro

Para quem precisa almoçar fora de casa, uma dica dada por Lara são os restaurantes orgânicos, que dispõem de opções naturais, integrais e orgânicas. Os cardápios geralmente oferecem uma variedade de saladas e alternativas aos alimentos processados encontrados em outros lugares. “Eu acho que quem cultiva e vende orgânico tem mais consciência. Eles se preocupam mais com a comida que comem e com o tipo de processo que eles estão fazendo com o alimento até que ele vire a refeição”, opina a estudante.

Dificuldades

Para Letícia Ramos, ter uma alimentação saudável nos dias de hoje exige mais do consumidor. “A pessoa fica tentada a comer as coisas mais gostosas e, geralmente, acham as mais calóricas, com carboidratos e proteínas, mais gostosas. Elas acabam exagerando em determinado nutriente e esquecendo de outros”, afirma.

Marília Arantes é dona de uma loja de produtos orgânicos e de um restaurante com a mesma proposta. Para ela, que lida com a venda de orgânicos, alimentar-se de forma saudável fora de casa custa mais caro. “Se você tem todo um cuidado diferenciado, como no orgânico, que a cultura é muito mais difícil, você gasta mais para produzir e o preço é repassado para o cliente”, afirma.

Alimentos orgânicos: mais caros, porém muito mais saudáveis

A nutricionista em formação Letícia Ramos afirma que pessoas que comem sempre fora de casa tendem a ter problemas de saúde. Geralmente, estes são consumidores que pouco escolhem alimentos ricos em fibras, como grãos, frutas e verduras. “As pessoas na maioria das vezes dão preferência aos carboidratos e às proteínas, excedendo-se e ficando mais propensas a diabetes, a hipertensão e a obesidade”.

Aumento de obesidade em países em desenvolvimento

De acordo com Lara é possível manter o hábito de consumir alimentos saudáveis mesmo comendo fora. Para ela, a melhor opção é levar alimentos de casa na bolsa, prestando sempre atenção no período de conservação. Também é possível encontrar em supermercados e cantinas produtos que podem fornecer bons nutrientes e não fazer mal ao corpo. Lara indica alguns itens baratos e facilmente encontrados como água de coco, açaí, salada de frutas, sucos e vitaminas.

Veja dicas de alimentação saudável fora de casa


Benefícios

Marília afirma que em sua casa é muito raro alguém adoecer e acredita que sua forma de alimentação é uma das responsáveis por isso. “Eu tenho 48 anos e nunca tive um colesterol alto, meus exames sempre foram bons, não tenho problema nenhum”. A estudante Lara Lins conta que, desde que optou por uma alimentação mais natural, sente-se mais saudável. “Eu não posso comprovar, mas eu acho que adoeço menos”, comemora.

Segundo Letícia, as pessoas que têm uma alimentação balanceada são mais saudáveis. “Nós somos resultado, principalmente, do que comemos. Se nos alimentamos mal, provavelmente teremos uma saúde ruim”. E completa afirmando que uma boa alimentação evita doenças crônicas e doenças adquiridas, diminuindo os riscos de câncer, inclusive.

Saiba Mais:

Ministério da Saúde lança guia com dicas para uma alimentação saudável

Mark Bittman, do NY Times, fala sobre o que está errado com

Camila Aguiar e Raíssa Veloso

One response to “De olho no bolso e no relógio: existe alimentação saudável fora de casa?”

  1. Naiana Rodrigues says :

    Meninas,

    Apesar de evitar títulos com perguntas, no caso da matéria de vcs, ele se aplica, pois não é um assunto factual, mas sempre vale lembrar que o título qto mais objetivo e informativo, melhor.

    Atenção à concordância “alimentos livre”.

    O link da gordura trans não precisava vir separado, ele poderia estar associado à expressão que encerra o parágrafo anterior.

    A personagem “empresária e artesã Marília Arantes” é do ramo de alimentos ou é uma das pessoas que come fora de casa? não ficou claro no texto, nem na foto, nem na legenda. Poderiam ter explicado isso para legitimá-la enquanto fonte.

    “Para quem precisa almoçar fora de casa, uma dica dada por Lara são os restaurantes orgânicos, que dispõem de opções naturais, integrais e orgânicas” – orgânico demais nessa frase.

    Uma dica: link para um site com informações sobre o que são alimentos orgânicos, já q não dá pra explicar muito na matéria, pois não é o foco.

    Vcs só apresentam a Marília lá longe, ela poderia ter sido apresentada antes ou somente nesse segundo momento da matéria.

    Prefira a palavra “proprietária” em vez de dona, é informal até demais, a meu ver.

    “Para ela, que lida com a venda de orgânicos, alimentar-se de forma saudável fora de casa custa mais caro”, essa informação já apareceu na legenda. Evitar essas repetições, é uma informação nova que vc deixa de mencionar. Poderia, por exemplo, ter colocado na legenda há quanto tempo ela está no ramo de alimentação e com produtos orgânicos.

    Gostei do link para o portal dos orgânicos, anula a observação anterior a respeito do link.

    “A nutricionista em formação Letícia Ramos”, vcs já usaram essa mesma expressão para apresentá-la. Q tal, estudante de Nutrição?

    As regras de ortografia tb valem para os depoimentos das fontes. Atenção, para a pontuação, diante disso.

    Mais um link bem acertado.

    ADOREI o vídeo! Mto boa a luz, edição, só o enquadramento q não ficou legal. Tipo, vcs cortaram a cabeça da entrevistada.

    “Marília afirma”, olha a intimidade com a entrevistada. A empresária ou então Marília acompanhada do sobrenome.

    “Segundo Letícia”, o mesmo caso acima.

    Muito bem lembrado e escolhidos os links de aprofundamento. Só atentem para, numa próxima vez, fazerem com que os links abram em outra janela, pq aí vc não facilita para o leitor se perder, sair da sua página e nunca mais voltar, ok?

    No mais, parabéns, meninas. Texto bom, fluido, interessante, atraente. O tema ajudou mto tb. Diversidade de fontes, informações bem organizadas.

    Senti falta apenas de fotos dos produtos comercializados pela Marília, como os que a Raissa me apresentou. Descrever melhor que produtos são esses. Já q o restaurante dela é orgânico, mencionar alguns pratos que podem ser encontrados lá e para justificar a história do mais caro, porém, mais saudável, colocar uma média de preço dos produtos e dos pratos – se for um restaurante a la carte. Eu teria explorado mais isso.

Fala aí

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: