[Censo 2010] Pirambu é o sétimo maior aglomerado urbano do País

Andressa Bittencourt

Segundo o último censo demográfico do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE), feito em 2010 e divulgado em dezembro de 2011, o bairro Pirambu, em Fortaleza, capital do Ceará, é o sétimo maior aglomerado subnormal do Brasil. O bairro possui 42.878 pessoas vivendo em áreas de risco. Somente 17775 habitantes residem em domicílios regularizados.

De acordo com o instituto, um aglomerado subnormal é um conjunto de no mínimo 51 unidades habitacionais, como casas e barracos, ocupando ou tendo ocupado até período recente, terreno de propriedade alheia (pública ou particular). Essas habitações encontram-se dispostas, em geral, de forma desordenada e densa e são carentes, em sua maioria, de serviços públicos e essenciais. Aglomerado subnormal é o equivalente a assentamentos irregulares conhecidos como favelas ou invasões.

No Ceará, 121.165 domicílios particulares são ocupados em 226 aglomerados subnormais, distribuídos em 14 municípios. São 441.937 pessoas que residem nesses domicílios, o equivalente a 5% da população total do estado que, de acordo com o censo do IBGE de 2010, contabilizou 8.180.087 habitantes.

Segundo o mesmo censo, 6% da população do país, ou 11.425.644 pessoas, moravam em favelas, se encontrando quase a metade dos domicílios de aglomerados (49,8%) na Região Sudeste.

Segundo o último censo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE), feito em 2010 e divulgado em dezembro de 2011, o bairro Pirambu, em Fortaleza, capital do Ceará, é o sétimo maior aglomerado subnormal do Brasil. O bairro possui 42.878 pessoas vivendo em áreas de risco. Somente 17775 habitantes residem em domicílios regularizados.

De acordo com o instituto, um aglomerado subnormal é um conjunto de no mínimo 51 unidades habitacionais, como casas e barracos, ocupando ou tendo ocupado até período recente, terreno de propriedade alheia (pública ou particular). Essas habitações encontram-se dispostas, em geral, de forma desordenada e densa e são carentes, em sua maioria, de serviços públicos e essenciais. Aglomerado subnormal é o equivalente a assentamentos irregulares conhecidos como favelas ou invasões.

No Ceará, 121.165 domicílios particulares são ocupados em 226 aglomerados subnormais, distribuídos em 14 municípios. São 441.937 pessoas que residem nesses domicílios, o equivalente a 5% da população total do estado que, de acordo com o censo do IBGE de 2010, contabilizou 8.180.087 habitantes.

Segundo o mesmo censo, 6% da população do país, ou 11.425.644 pessoas, moravam em favelas, se encontrando quase a metade dos domicílios de aglomerados (49,8%) na Região Sudeste.

Ranking das favelas e ocupações mais populosos do país, segundo IBGE:

Rocinha (RJ) 69.161
Sol Nascente (DF) 56.483
Rio das Pedras (RJ) 54.793
Coroadinho (MA) 53.945
Baixadas da Estrada Nova Jurunas (PA) 53.129
Casa Amarela (PE) 53.030
Pirambú (CE) 42.878
Paraisópolis (SP) 42.826
Cidade de Deus (AM) 42.476
Heliópolis (SP) 41.118
Assentamento Sideral (PA) 39.706
Fonte: IBGE, Censo Demográfico 2010

O Pirambu se localiza a oeste da capital cearense e possui uma história de ocupações que remonta às suas origens, no final do século XIX.

Nesse período, o bairro recepcionou inúmeros fugitivos das secas, que foram se alojando em barracos nos locais onde a população de maior poder aquisitivo ignorava. A partir da década de 1930, os aglomerados começaram a ser tornar visíveis e foram considerados precários e insalubres. A região já apresentava altos índices de violência.

A construção da Avenida Leste-Oeste, na década de 1970, e a implantação do saneamento básico nos anos 90 despertaram novo ânimo à população do local. Hoje, porém, a situação se mostra crítica. Mais de 2.000 famílias vivem sem esgotamento sanitário, o equivalente a 19% da população da comunidade.O Pirambu se localiza a oeste da capital cearense e possui uma história de ocupações que remonta às suas origens, no final do século XIX.

Nesse período, o bairro recepcionou inúmeros fugitivos das secas, que foram se alojando em barracos nos locais onde a população de maior poder aquisitivo ignorava. A partir da década de 1930, os aglomerados começaram a ser tornar visíveis e foram considerados precários e insalubres. A região já apresentava altos índices de violência.

A construção da Avenida Leste-Oeste, na década de 1970, e a implantação do saneamento básico nos anos 90 despertaram novo ânimo à população do local. Hoje, porém, a situação se mostra crítica. Mais de 2.000 famílias vivem sem esgotamento sanitário, o equivalente a 19% da população da comunidade.

Censo 2010: 11,4 milhões de brasileiros (6,0%) vivem em aglomerados subnormais

Censo 2010 aprimorou a identificação dos aglomerados subnormais

2 responses to “[Censo 2010] Pirambu é o sétimo maior aglomerado urbano do País”

  1. Carolina says :

    As informações estão duplicadas!

  2. Naiana Rodrigues says :

    Andressa,

    Sua matéria ficou ótima. Talvez um pouco longa, mas como a plataforma não permite, a tabela poderia virar um infográfico e gostei dos links de contextualização.

    Atenção somente em alguns errinhos de ortografia. No mais, parabéns!

Fala aí

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: